HISTÓRIA e Memória em Narrativas de Representação
identitária. a Ferrovia Vitória a Minas Como Patrimônio
territorial em Colatina, Espírito Santo

Nome: Livia Torezani Cavazzoni
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 26/09/2022
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Renata Hermanny de Almeida Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Carolina de Souza Bierrenbach Examinador Externo
Flávia Ribeiro Botechia Examinador Interno
Maria Lucia Bressan Pinheiro Examinador Externo
Renata Hermanny de Almeida Orientador

Resumo: A presente pesquisa aborda como temática central a representação identitária, a partir do seu
entendimento como um processo complexo representacional do patrimônio territorial, pautado
na história e memória ferroviária do território, a partir da elaboração do Atlas do Patrimônio
Territorial e sua análise histórico-estrutural. O processo de representação identitária explicita o
valor da obra patrimonial na sociedade, ao permitir a reelaboração das memórias e das
representações históricas, de estruturas permanentes, persistentes e mesmo desaparecidas em
ciclos de territorialização. Na contemporaneidade, a dificuldade em promover a longevidade do
patrimônio territorial decorre do desequilíbrio entre as forças de dominação (político-econômica)
e/ou apropriação (cultural-simbólica) na produção sociedade-espaço; o qual induz ao
esmaecimento de qualidades e de especificidades dos lugares. Logo, a problemática está no
estabelecimento de fundamentos conceituais e metodológicos em estratégias de representação
fortalecedores de territórios simbólicos (da diferença, da multiplicidade, da segurança afetiva)
com a comunidade agente de sua representação - capazes de garantir a valorização da memória
e da história na dimensão cultural e política. A representação identitária visa reconstruir e
comunicar a identidade territorial, destacando sedimentos materiais e cognitivos – invariantes
estruturais - na duração histórica e memorial. Por sua vez, a utilização de tecnologias
geoinformacionais neste processo, materializa as informações em novos campos, permitindo sua
contínua atualização. A partir deste entendimento, objetiva-se elaborar uma representação
identitária do território em que a comunidade seja agente. Para tanto, o objetivo geral foi
estruturado a partir de quatro objetivos específicos. Como objetivos específicos, tem-se: a)
conceituar história e memória e compreender sua contribuição no processo documental; b)
explorar o conceito de documentação e representação patrimonial, compreendendo o que e
como documentam/registram; c) estabelecer a metodologia para representação
geoinformacional; d) realizar experimento da representação identitária histórico-memorial a partir
do atlas com a participação da comunidade; e) analisar e descrever a conformação do território
a partir do objeto concreto adotado para a pesquisa. O objeto-concreto adotado é a cidade de
Colatina, município relevante na colonização e no desenvolvimento econômico do norte do
Estado do Espírito Santo. A implantação da Estrada de ferro Vitória a Minas, no ano de 1906, é
considerado um dos investimentos de maior impacto para este desenvolvimento, da cidade e da
região. Desse modo, adota-se a ferrovia como objeto de recorte espaço-temporal, pois abrange
sedimentos de valor patrimonial– permanências e persistências inscritas durante os ciclos de
territorialização - afirmadoras de identidade do território. Para tanto, procede-se a métodos
qualitativos de âmbito descritivo e analítico, a partir da i) abordagem teórico conceitual relativa
ao par temático Documentação e Representação; ii) pesquisa documental escrita, iconográfica
e cartográfica, de acervos públicos e privados, em um âmbito histórico, assim como entrevistas
junto à sociedade local –no âmbito memorial, para a identificação do patrimônio territorial da
unidade de estudo; iii) a representação da documentação histórico-memorial, com a utilização
dos recursos geoinformacionais, na produção do Atlas do Patrimônio Territorial, ancorada em
três estratégias integrantes no processo de desvelamento de valores identitários dos lugaresdescrição, interpretação e representação e iv) analisar o experimento, afim de identificar e propor
um sistema de ferramentas participativas para a elaboração da representação históricomemorial. Desse modo, tem-se como resultado, a identificação e proposição de um processo
representacional participativo, que permita as reelaborações das memórias e representação das
histórias, com o intuito de reafirmar e preservar a identidade territorial.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910