TERRITORIOS EM DISPUTA NA ILHA DA BOA VISTA, CABO
VERDE - EM FACE DA EXPLORAÇÃO TURISTICA

Nome: Vanina Margarida Tomar Borges Pereira
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 09/09/2013
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Clara Luiza Miranda Orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Thais de Bhanthumchinda Portela Examinador Externo
Eneida Maria Souza Mendonça Examinador Interno
Clara Luiza Miranda Orientador

Resumo: Reflete criticamente os territórios em disputa na ilha da Boa Vista, em Cabo Verde, com o inicio da exploração turística. A exploração turística em Boa Vista tem se guiado pela lógica do apartamento socioeconômico e espacial, direcionando as vantagens e ganhos econômicos apenas para os investidores enquanto os passivos sobram (obrigações, dívidas, prejuízos, impactos ambientais, social) para os locais. A política de desenvolvimento territorial tem interferido muito pouco na melhoria da qualidade de vida da população e na promoção de um desenvolvimento equilibrado do território. Os planos físicos da política de desenvolvimento territorial têm contribuído para a valorização de parcelas específicas do território beneficiando
apenas grupos investidores sem tomar em consideração os impactos sociais, culturais e territoriais de grandes empreendimentos imobiliários. As conseqüências tem sido o surgimento de espaços destinados aos turistas providos de infraestruturas, distinguindo-se dos espaços carentes de infraestruturas básicas, destinados aos locais.1 Debater a partir de Cabo Verde, em especial Boa Vista, possibilita analisar como os fenômenos sociais e culturais da
globalização, sintetizados na organização espacial, constituem instrumentos perpetuadores das relações de poder historicamente estabelecidas. O objetivo é trazer a luz algumas questões
centrais sobre as atuais disputas territoriais em países Africanos, mormente em Cabo Verde, e sua ligação com as relações de poder historicamente estabelecidas. Para a análise foram pesquisados relação projeto colonizador e as resistências locais, os atuais agentes da produção do espaço seus interesses e estratégias, as territorialidades configuradas, os territórios em disputa. Os desafios para a política de desenvolvimento territorial passam pela sua
democratização, através do reconhecimento dos diversos agentes que interferem nos seus direcionamentos e tornando visíveis variais usualmente dissimuladas. Assim será possível uma política de desenvolvimento territorial que garanta o equilíbrio de forças e as múltiplas vozes terão a oportunidade e a capacidade para organizar seus interesses e participar autonomamente em processos de tomadas de decisão de forma significativa.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910