MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E DENSIDADE URBANA NA GRANDE VITÓRIA - ES: ANÁLISE COM BASE NOS RESULTADOS DA PESQUISA DE ORIGEM E DESTINO DE 2007

Nome: Eduardo Schwartz Borges
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 10/04/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Cristina Engel de Alvarez Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Cristina Engel de Alvarez Orientador
Eneida Maria Souza Mendonça Examinador Interno
Marta Monteiro da Costa Cruz Examinador Externo

Resumo: Desde a segunda metade do século XX, a preocupação com o desenvolvimento sustentável e o crescimento dos problemas urbanos em diversas partes do Mundo suscitam a necessidade de desenvolver estudos específicos em novas áreas do conhecimento, tais como a sustentabilidade urbana e, dentro desta, a questão da mobilidade sustentável. Em diversas cidades brasileiras, a mobilidade de pessoas é um dos graves problemas de complexa solução. Tempos de viagens crescentes, principalmente os relacionados ao movimento pendular, geram prejuízos econômicos, à qualidade de vida, saúde e meio-ambiente, sendo este último agravado pelo intenso uso de automóveis emissores de gases de efeito estufa. Vasta literatura defende que princípios do urbanismo sustentável – como os relacionados a políticas de uso do solo –, podem influenciar o comportamento dos deslocamentos dos cidadãos e, consequentemente, proporcionar uma mobilidade urbana mais eficiente e sustentável. Entretanto, observa-se falta de dados técnicos que possibilitem a avaliação de tais características, como ocorre, por exemplo, na Grande Vitória, o que seria importante nos debates para formulação de planos diretores urbanos. Esta pesquisa parte do pressuposto do adensamento como importante medida para a economia de recursos e encurtamento de viagens, ou seja, para o desenvolvimento urbano sustentável. O objetivo foi testar a hipótese de que regiões com maior densidade urbana apresentam um modelo mais sustentável de mobilidade, traduzido em menor uso do automóvel e priorização do deslocamento não motorizado ou de transportes de massa. Com base na última pesquisa oficial de origem e destino realizada na Grande Vitória, em 2007, analisou-se o comportamento de deslocamento dos cidadãos e sua relação com a densidade urbana. Foram utilizados métodos estatísticos, destacadamente com análise multivariada por regressão logística, para obtenção dos resultados. No caso das viagens com motivos de trabalho, houve relação de causa-efeito da densidade urbana para a escolha do modal de transporte público coletivo, confirmando a hipótese de pesquisa, enquanto no caso da escolha modal de dirigir um automóvel ou andar a pé, não houve tal relação. Já nos casos das viagens com demais motivos, tampouco houve relação de causa-efeito para a escolha do modal de dirigir automóvel, mas houve significância, tanto para a escolha de andar a pé, confirmando a hipótese de pesquisa, como para o transporte público coletivo, neste caso em sentido oposto à hipótese de pesquisa. De modo geral, outras variáveis como renda, gênero, quantidade de pessoas da família e idade foram significativas para a escolha do modal das viagens, com destaque para o fato de que
quanto mais alta a renda, maior a preferência por dirigir automóvel em detrimento de andar a pé ou utilizar transporte público coletivo, o que gera a necessidade de estudar soluções para proporcionar uma mobilidade sustentável que atinja, também, as classes de renda mais alta.
Palavras-chave: mobilidade urbana, mobilidade sustentável, urbanismo sustentável, uso do solo, densidade urbana.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910